Fandom

Harry Potter Wiki

Maldição Cruciatus

2 045 pages em
Este wiki
Adicione uma página
Discussão0 Compartilhar

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

A Maldição Cruciatus (também conhecida como Maldição da Tortura[1]) (Crucio) é uma das maldições imperdoáveis. É uma das magias mais poderosas e sinistras do mundo bruxo. A maldição Cruciatus é a maldição da tortura. Causa enormes dores psicológicas e físicas. É um dos feitiços favoritos de Lord Voldemort e dos comensais da morte e, segundo Belatriz Lestrange, para o feitiço funcionar, não basta apenas pronunciar as palavras, é preciso querer causar dor e sentir prazer com o sofrimento do seu oponente.

Considerando o fato de que esta maldição não prejudica fisicamente ou deixa qualquer lesão sobre a vítima, é possível que ele unicamente estimule os receptores de dor de forma agressiva. As duas mais conhecidas vítimas desta maldição são o ex-Aurores Alice e Frank Longbottom, que foram torturados até a insanidade com ela por Comensais da Morte; Belatriz, Rodolfo, Rabastan Lestrange e Bartô Crouch Jr..

História Editar

Idade média Editar

A Maldição Cruciatus foi inventada durante o início da Idade Média, por bruxos das trevas. A maldição foi criada para fins de tortura, mas também tem sido utilizada de forma eficaz em duelos. De acordo com Bartô Crouch Jr., a maldição já foi muito popular.

Após a formação do Ministério da Magia Britânico, restrições mais severas foram colocadas sobre a utilização de certos tipos de magia. A Maldição Cruciatus foi considerada pelo Ministério como sendo magia negra, e, juntamente com as maldições Imperius e da Morte, foram declaradas "imperdoáveis" em 1717. A utilização de qualquer uma dessas três maldições sobre um ser humano poderia resultar em uma sentença de prisão perpétua em Azkaban, a menos que haja provas suficientes de que a pessoa fez isso sob a influência da Maldição Imperius de outro; isso tende a ser uma brecha da qual muitos Bruxos das Trevas se aproveitam.

Muitos fieis do segredo foram colocados sob a Maldição Imperius a fim de apreender o segredo guardado, porém sempre tendo resultados infrutíferos, pois o Fiel deve revelá-la de bom grado.[2]

Primeira Guerra Bruxa Editar

Durante a Primeira Guerra Bruxa, quando Bartô Crouch Sr. esteve a cargo do Departamento de Execução das Leis da Magia, ele lutou contra a violência com violência, e legalizou as três Maldições Imperdoáveis ​​para os Aurores usarem contra os Comensais da Morte, a fim de ganhar a guerra. Isto foi revogado, uma vez que a guerra acabou, já que não era mais necessário. Foi também nessa época que muitos Comensais da Morte, como Lúcio Malfoy e Walden Macnair, alegaram que tinham servido a Lord Voldemort apenas por causa da Maldição Imperius.

Julgamento dos Lestrange e de Crouch Jr.png

Três membros da família Lestrange: Rodolfo, Rabastan e Belatriz, sendo julgados pelo Conselho das Leis da Magia.

Logo após a derrota de Voldemort, quatro Comensais da Morte - três Lestrange: Belatriz, Rodolfo e Rabastan; juntamente com Bartô Crouch Jr - capturaram os aurores Franco Longbottom e Alice Longbottom e torturaram os dois com a Maldição Cruciatus para obter informações sobre o paradeiro de Voldemort. A utilização repetida e prolongada da maldição fez com que o casal se tornar insano, os quatro foram capturados e julgados pelo Conselho das Leis da Magia. Todos eles foram considerados culpados e condenados a prisão perpétua Azkaban. Este ato foi considerado o mais atroz e infame na história moderna.

Entre guerras Editar

"A Maldição Cruciatus deverá soltar a sua língua"
Dolores Umbridge ameaçando Harry Potter com a maldição[fnt]

Apesar da revogação do uso legal da maldição, no ano letivo de 1994-1995, Bartô Crouch Jr., sob o disfarce de Alastor Moody, mostrou estas três maldições aos seus quarto ano aulas sobre aranhas apesar da desaprovação do Ministério. No entanto, uma vez que o uso da maldição era ilegal apenas em um ser humano, a demonstração das maldições sobre a aranha podem ter sido dentro dos limites legais.

UmbridgeCrucio.jpg

Umbridge pronta para executar a Maldição Cruciatus em Harry Potter em 1996.

Dolores Umbridge, em um último esforço para conseguir informação de Harry Potter, quase usou a maldição sobre ele, certa na crença de que ela não iria ser responsabilizada por isso devido às únicas testemunhas do ato serem Harry e seus amigos mais próximos, e que ela seria capaz de evitar a punição pela a maldição, devido ao clima político de qualquer maneira. No entanto, ela foi dissuadido de usar a maldição por Hermione Granger, que contou a Umbridge uma história falsa, a fim de salvar Harry.

Quando a Comensal da Morte Belatriz Lestrange]] matou Sirius Black, Harry perseguiu Bellatrix e lançou a maldição em sua raiva.

Segunda Guerra Bruxa Editar

Em 1997, Draco Malfoy, em um acesso de raiva e imprudência, tentou usa-la em um Harry e mais tarde no mesmo ano, Harry tentou usá-la em Severo Snape durante a Batalha da Torre de Astronomia, mas foi impedido de proferir todo o encantamento devido a Snape usar Legilimência.

Quando Lord Voldemort assumiu o Ministério, as três maldições foram mais uma vez legalizadas: desta vez cada bruxo e bruxa tinha o direito de usá-los como bem entenderem. Na verdade, eles eram praticados em Hogwarts como parte do currículo de Artes das Trevas sob a tutela do Professor Amico Carrow: os alunos eram obrigados a praticar a Maldição Cruciatus em outros estudantes que ganhassem detenção, e os irmãos Carrow usaram-na para punir os estudantes como bem entendessem.

Hermione e Bellatrix.jpg

Bellatrix interrogando brutalmente a Hermione Granger depois de submete-la a Maldição Cruciatus.

Hermione Granger sofreu essa maldição, que foi lançada por Belatriz Lestrange durante seu interrogatório na Mansão Malfoy em Março de 1998. Harry Potter conseguiu usá-lo com sucesso em Amico Carrow sem consequências legais assim como resultado dessa legalização. Depois da morte de Voldemort e revolucionar do Ministério sob o novo Ministro da Magia Kingsley Shacklebolt, as três maldições foram novamente proibidas e suas penalidades originais restauradas.

Harry Potter teve uma visão de Lord Voldemort ordenar que Draco Malfoy usasse a maldição sobre Thorfinn Rowle depois que ele e Antonin Dolohov não conseguiram capturar Harry Potter na Rua Tottenham Court. Embora ele não viu nada do castigo de Dolohov, Narcisa Malfoy mais tarde mencionou "lembra o que ele fez com Rowle e Dolohov" quando ela estava com medo de entrar em contato com Voldemort.[3]

Natureza Editar

Atuação Editar

Crucio com ira justa.gif

Harry Potter tentando lançar a Maldição Cruciatus, usando "ira justa".

"É preciso realmente querer causar dor, ter prazer nisso, raiva justificada não faz doer por muito tempo. Vou lhe mostrar como se faz, está bem? Vou lhe dar uma aula..."
Belatriz Lestrange dizendo a Harry Potter como usar uma Maldição Imperdoável[fnt]

Para executar com êxito esta maldição, simplesmente proferir o encantamento não é suficiente. O bruxo ou bruxa deve possuir um profundo desejo de causar a dor vítima. Por exemplo, apesar de estar furioso com Belatriz Lestrange, por ela assassinar de seu padrinho em 1996, Harry Potter só foi capaz de causar-lhe um breve momento de dor com a Maldição Cruciatus porque ele usou em "ira justa". Embora ela ainda tenha caido no chão.[4]

Harry executou de forma mais eficaz em 1998 em Amico Carrow, que cuspiu no rosto de Minerva McGonagall. Amico foi atirado para o ar e ficou inconsciente.[3] Isto sugere que, embora a maldição de Harry fosse intenso, ele ainda não tinha o sadismo fundamental para infligir dor excruciante prolongado com ela. Por outro lado, devido à Belatriz ser uma bruxa com profundas intenções sádicas e pouca consciência, ela foi capaz de conjurar a maldição com uma potência quase assustadora, e aparentemente tinha uma afinidade com ela.

Efeito Editar

"Foi uma dor que superou qualquer coisa que Harry já sofrera; seus próprios ossos pareciam estar em fogo; sua cabeça, sem dúvida alguma, estava rachando ao longo da cicatriz, seus olhos giravam descontrolados em sua cabeça; ele queria que tudo terminasse... que perdesse os sentidos... morresse..."
—Descrição feita por Harry Potter[fnt]

A dor causada pela Maldição Cruciatus é descrita como pior do que "mil facas quentes, perfurando a pele."[5] Esta dor pode causar lesões psíquicas permanentes se ocorrer exposição a ela por tempo prolongado, como no referido caso dos Longbottom, que passaram o resto de suas vidas no Hospital St. Mungus para Doenças e Acidentes Mágicos por causa do trauma que a maldição causou.[4] Presumivelmente, tais efeitos permanentes não são incomuns se a vítima é exposta a uma maldição particularmente intensa por um longo período de tempo.

Como feitiços de memória podem ser quebrados através da tortura, a Maldição Cruciatus é capaz de tal façanha, embora exija um certo nível de exposição ao tempo e intensidade para rompelo-s. Bertha Jorkins sofreu isso, e os resultados finais foram que tanto seu corpo e mente estavam danificados além do reparo.[5]

Se a maldição atinge um objeto inanimado, pode fazer com que ele quebre.[3]

Defesa Editar

Depois de lançada, não há mágica que possa se defender contra a Maldição Cruciatus. No entanto, ainda há opções evasivas disponíveis contra ela. O feitiço pode ser evitado por se esconder atrás de um objeto sólido, e um bruxo com particular força de vontade pode simplesmente resistir a dor até que o feitiço acabe (embora, como mencionado acima, a exposição prolongada pode causar danos mentais permanentes). Outra opção é interromper o lançador antes que eles possam terminar de falar o encantamento, como Severo Snape fez com grande efeito contra Harry Potter em 1997 usando Legilimência para antecipar as magias que ele usaria.

Caso o rodízio de estar usando o Elder Wand , sem ganhar a sua fidelidade, para lançar a maldição sobre o seu verdadeiro mestre, a varinha irá se recusar a infligir qualquer dor em seu mestre. No entanto, ainda haverá um certo nível de impacto que pode enviar o vôo corpo.[3]

Embora o objetivo principal do Cruciatus Curse é a tortura, ele não pode ser usado para romper as defesas estabelecidas pelo feitiço Fidelius , como o segredo deve ser revelada propósito e voluntariamente.[2] Para além disso, se a vítima não possui as informações desejadas (como Alice e Franco Longbottom), então o uso da maldição serve pouco ou nenhum efeito na recolha de informações.

Etimologia Editar

Do latim cruxi + atus, ' Causar sofrimento

Uso conhecidos Editar

Por trás das cenas Editar

  • Quando Harry Potter tentou conjurar esta maldição contra Belatriz Lestrange, uma bola de luz vermelha foi disparada de sua varinha, muito provavelmente porque seu feitiço foi lançado com "raiva justa", não sadismo definitivas. O feitiço ainda tinha força suficiente para bater Lestrange fora de seus pés.
  • Também na adaptação cinematográfica de Harry Potter e o Cálice de Fogo, quando Voldemort lançou a maldição contra Harry Potter, um som semelhante a electricidade ou relâmpagos pode ser ouvido no fundo. É possível que uma das sensações de dor causados pela praga pode ser semelhante ao de wikipedia:pt:Electrocussão.
  • Como a Maldição Cruciatus não deixa marcas visíveis no corpo da vítima, é razoável supor que a maldição, ao invés de infligir dor por lesão, de alguma forma desencadeia um estímulo no centro da dor do cérebro da vítima. O fato de que as mentes de Franco e Alice Longbottom 'racharam' devido a maldição e eles ficaram mentalmente instáveis, pode apoiar tal teoria.

Aparições Editar

Wiki.png
A Harry Potter Wiki tem 2 imagens relacionadas a Maldição Cruciatus.

Notas e referências Editar

Mais da comunidade Wikia

Wiki aleatória