Fandom

Harry Potter Wiki

O Coração Peludo do Mago

2 045 pages em
Este wiki
Adicione uma página
Discussão0 Share

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

O Coração Peludo do Mago é uma das histórias na coleção de contos de fadas mágico, Os Contos de Beedle, o Bardo. Esta história é a mais escura das cinco histórias de Os Contos de Beedle, o Bardo, e destina-se a ensinar jovens bruxos e bruxas não mexer com as Artes das Trevas.

Resumo Editar

O personagem principal da trama é um jovem mago rico, bonito  e talentoso, que observou que seus amigos agiam como tolos quando se apaixonavam, se enfeitando, andando aos saltos e corridinhas, perdendo  o apetite e a dignidade. O jovem mago resolveu jamais se  deixar dominar por tal fraqueza, e recorreu ás artes das trevas para garantir a sua imunidade.

Sem saber do seu segredo, a família do mago achava graça de vê-lo tão distante e frio.

"Tudo mudará", vaticinavam eles, "quando um donzela atrair seu interesse!"

O jovem mago, porém, permanecia impassível. Embora muitas donzelas se sentissem intrigadas por seu ar altivo e recorressem as artes mais sutis para agrada-lo, nenhuma conseguia tocar seu coração. Ele se vangloriava de sua indiferença e da sagacidade que a produzira.

O frescor da juventude foi dissipando-se e os jovens de mesma idade e posição que o mago começaram a casar e ter filhos.

"O coração deles deve ser apenas uma casca", desdenhava ele mentalmente, observando o ridículo comportamento dos jovens pais ou seu redor, "ressecada pelas exigências desses pirralhos chorões!".

E mais uma vez ele se felicitou pela sabedoria da opção que fizera no primeiro momento. No devido tempo, os pais do mago, já idosos, faleceram. O filho não lamentou a morte deles; ao contrario, considerou-se abençoado por terem desaparecido. Agora ele reinava sozinho em seu castelo. Depois de transferir o seu maior tesouro para a masmorra mais profunda, ele se entregou a uma vida desregrada e farta, na qual seu conforto era o único objetivo dos inúmeros criados.

O mago estava convencido de que devia ser alvo de imensa inveja de todos que contemplavam sai solidão esplêndida e despreocupada. Feroz, portanto, foi sua raiva e desgosto, quando um dia ouviu dois lacaios discutindo a sua pessoa: O primeiro criado manifestou pena do mago que, com tanto poder e riqueza, continuava sem alguém que o amasse. Seu colega, entretanto, desdenhou, perguntando porque um homem com tanto ouro e dono de tão esplêndido castelo não fora capaz de atrair uma esposa. Tal conversa desferiu um terrível golpe no orgulho do mago que os ouvia.

Ele decidiu imediatamente escolher uma esposa, e uma que fosse superior a todas as existentes. Possuiria uma beleza assombrosa e provocaria inveja e desejo em um a linhagem mágica que seus filhos herdasse excepcionais dons de magia; e seria dona de uma fortuna no mínimo igual a dele, para garantir a existência, apesar do acréscimo de pessoas e despesas.

Encontrar tal mulher talvez levasse cinquenta anos, mas aconteceu que, no dia seguinte á sua decisão, chegou a vizinhança, em visita a parentes, uma donzela que correspondia a todos os seus desejos.

Era uma bruxa de prodigioso talento e dona de grande riqueza. Sua beleza era tanta que mexia com o coração do todos os homens que a contemplavam, isto é, todos, exceto um. O coração do mago não sentiu absolutamente nada. Contudo, a moça era o premio que ele buscava, e, assim sendo, começou a corteja-la.

Todos que notaram a mudança no comportamento do mago ficaram surpresos e disseram a donzela que ela tivera êxito, onde uma centena de outras havia fracassado.

A jovem por sua vez, sentiu ao mesmo tempo fascínio e repulsa pelas atenções do mago. Ela pressentiu a frieza que havia sob o calor de suas lisonjas, pois jamais conhecera um homem tão estranho e distante. Seus parente , contudo, consideraram essa união extremamente desejável e,  muito interessados em promove-la, aceitaram o convite do mago para um grande banquete em homenagem à donzela.

A mesa, carregada com peças de ouro e prata, continham os mais finos vinhos e as comidas mais suntuosas. Menestréis dedilhavam alaúdes de cordas sedosas e cantavam um  amor que seu senhor jamais sentira. A donzela sentou-se um trono ao lado do mago, que lhe falava suavemente, empregando palavras de carinhos que roubara dos poetas, sem a mínima ideia do seu real significado. A donzela ouvia, intrigada, e por fim respondeu:

- Você fala bonito, mago, eu ficaria encantada com suas atenções, se ao menos acreditasse que você tem coração!

O mago sorriu e lhe respondeu que, quanto a isso, ela não precisava temer. Pediu-lhe que acompanhasse e, conduzindo-a para fora do salão, desceu à masmorra trancada à chave onde guardava o seu maior tesouro. Ali, em uma caixa de cristal encantada, encontrava-se o coração pulsante do mago. Há muito tempo desligado dos olhos, ouvidos e dedos, o coração jamais se deixara cativar pela beleza, ou por uma voz musical, ou pelo tato de uma pele sedosa. A donzela ficou aterrorizada ao vê-lo, pois o coração encolhera e se cobrira de longos pelos negros.

-Ah, o que você fez! – lamentou ela. –Reponha o coração no lugar a que permanece, eu lhe imploro!

Ao perceber que isto era necessário para agradá-la, o mago apanhou a varinha, destrancou a caixa de cristal, abriu o próprio peito e repôs o coração peludo na cavidade vazia que outrora ocupara.

-Agora você está curado e conhecera o verdadeiro amor!  - exclamou a donzela e abraçou-o.

O toque dos macios braços alvos da donzela, o som de sua respiração no ouvido dele, o aroma dos seus cabelos dourados; tudo isso penetrou como uma lança o seu coração recém despertado.

Mas o órgão se corrompera durante o longo exílio, cego e selvagem na escuridão a que fora condenado, seus apetites tinham se tornado vorazes e perversos. Os convidados ao banquete notaram a ausência da anfitrião e da donzela. A principio despreocupados, começaram, porem, a se sentir ansiosos a medida que as horas passavam e, por fim, decidiram revistar o castelo.

Acabaram encontrando a masmorra, onde uma cena aterrorizante os aguardava.

A donzela jazia morta no chão, peito aberto, e ao seu lado ajoelhava-se o mago enlouquecido, segurando em uma das mãos ensanguentadas um grande e reluzente coração, que ele e lambia e acariciava, jurando troca-lo pelo seu.

Na outra mão, ele empunhava a varinha, tentando induzir o coração murcho e peludo a sair do próprio peito. O coração, porem, era mais forte do que ele e se recusou a renunciar ao controle dos seus sentidos ou a retornar à urna em que estivera por tanto tempo.

Diante do olhar aterrorizado dos convidados, o mago atirou para um lado a varinha e agarrou uma adaga de prata. Jurando jamais ser dominado pelo próprio coração, arrancou-o do peito. Por um momento, o mago permaneceu de joelhos, triunfante, segurando um coração em cada mão; em seguida caiu atravessando sobre o corpo da donzela e morreu.

Por trás das cenas Editar

  • É o único conto do livro que não foi mencionado em Harry Potter e as Relíquias da Morte
  • A capacidade do bruxo para remover seu próprio coração de seu próprio corpo e preservar sua própria vida com ele armazenado externamente é considerado uma impossibilidade fora dos contos de fadas, segundo o comentário de Alvo Dumbledore.


Aparições Editar

Os Contos de Beedle, o Bardo
Histórias:

Babbity, a Coelha e seu Toco Gargalhante | A Fonte da Sorte | O Coração Peludo do Mago | O Conto dos Três Irmãos | O Bruxo e o Caldeirão Saltitante

Personagens:

Altheda | Amata | Amigos do mago | Antíoco Peverell | Assassino de Antíoco Peverell | Asha | Babbity | Burro do homem velho | Cadmo Peverell | Charlatão | Donzela | Filho de Ignoto Peverell | Ignoto Peverell | Mago | Morte | Noiva de Cadmo Peverell | Verme branco gigante | Rei

Objetos:

Caixa de cristal | Caldeirão Saltitate | Cálice de Prata | Capa da Invisibilidade (Relíquia) | Cogumelo venenoso | Colina interminável | Coração peludo | Estátua de ouro de Babbity | Fonte | Jardim encantado | Pedra da Ressurreição | Poção de Altheda | Trepadeiras | Varinha de Altheda | Varinha das Varinhas

Mais da comunidade Wikia

Wiki aleatória